31 janeiro 2015

Dia Escolar pela Paz e Não Violência Oficina de origami

Dia Escolar pela Paz e Não Violência

Hoje, na nossa Biblioteca, os alunos ficaram sensibilizados com a comemoração deste dia e colaboraram na execução de pombas em origami. Pombas que são um dos conhecidos símbolos da Paz. 
Neste dia o rasto deixado pelos alunos ficou assim...






30 janeiro 2015

Dia Escolar pela Paz e Não Violência


Dia Escolar pela Paz e Não Violência


Hoje,  30 de janeiro (dia da morte de Mahatma Gandhi) é o Dia Escolar pela Paz e Não Violência. Criado em 1964, foi uma iniciativa de um pedagogo e poeta espanhol Lorenço Vidal, teve como objetivo chamar a atenção para a necessidade de uma educação permanente pela Não Violência e pela Paz.

Para comemorar este dia,  Biblioteca apresenta uma mostra de livros como sugestões de leitura para sensibilizar os alunos para a tolerância, solidariedade e respeito pelos direitos humanos junto em todo o mundo e um painel onde se destaca o prémio Nobel da Paz de 2014, Malala Yousafzai . Nas aulas de Educação Visual os alunos fizeram as Pombas da Paz em Origami. 


No mundo atual é fundamental que todos os países se comprometam a educar a população no sentido da promoção dos valores da não-violência e da paz e a escola deve ser um dos agentes desses ideais.

Pretende-se sensibilizar os alunos para a tolerância, a solidariedade, o respeito, a justiça, a liberdade, o diálogo, a reconciliação. 

Assiste também a  estes vídeos.



Palavras ao vento

27 janeiro 2015

Dia Internacional em Memória das Vitimas do Holocausto

As Nações Unidas escolheram esta data, 27 de janeiro, por ser dia de aniversário da libertação dos prisioneiros de Auschwitz.
A Biblioteca organizou uma mostra de livros sobre este tema



 Primo levi judeu italiano que nasceu em Turim e viveu entre 1919 e 1987, foi um dos poucos sobreviventes de Auschwitz, um dos campos de concentração nazis onde foram exterminados milhões judeus. Químico e escritor, Primo Levi deixou-nos um lúcido e emocionante testemunho sobre os horrores e a desumanização criados pela Shoah,  o programa de aniquilação nazi. Intitulado Se isto é um homem, o livro inicia-se com estes versos: 
          «Vocês que vivem seguros
            em suas cálidas casas,
            vocês que, voltando à noite,
            encontram comida quente e rostos amigos

            pensem bem se isto é um homem
            que trabalha no meio do barro,
            que não conhece a paz,
            que luta por um pedaço de pão,
            que morre por um si ou por um não.
            Pensem bem se isto é uma mulher, 
            sem cabelos e sem nome,
            sem mais força para lembrar, 
            vazios os olhos, frio o ventre,
            como um sapo no inverno.

            Pense que isto aconteceu:
            eu lhes mando estas palavras.
            Gravem-na em seus corações,
            estando em casa, andando na rua,
            ao deitar, ao levantar;
            repitam-na a seus filhos.

            Ou, senão, desmorone-se a sua casa,
            a doença vos torne inválidos,
            os vossos filhos virem o rosto para não vê-los»


      Primo Levi

20 janeiro 2015

CNL -1.ª fase

Realizou.se no dia 14 de janeiro pelas 17.30 horas  a fase de escola do Concurso Nacional de Leitura (Ler+). 
Os alunos inscritos compareceram na Biblioteca e realizaram a prova elaborada a partir da Obra "A Lua de Joana" de Maria Teresa Maia Gongalez. 

Os vencedores desta fase já estão apurados para a fase distrital que se realizará em abril.



  • Mariam Issa Coulibaly - 7.º G
  • Joana Lopes - 8.º A
  • Rafael Pereira - 7.º E
Parabéns aos vencedores!

13 janeiro 2015

Livro do mês de janeiro

A obra


No dia 9 de outubro de 2012, Malala Yousafzai, então com 15 anos, regressava a casa vinda da escola quando a carrinha onde viajava foi mandada parar e um homem armado disparou três vezes sobre a jovem. Nos últimos anos Malala - uma voz cada vez mais conhecida em todo o Paquistão por lutar pelo direito à educação de todas as crianças, especialmente das raparigas - tornou-se um alvo para os terroristas islâmicos. Esta é a história, contada na primeira pessoa, da menina que se recusou a baixar os braços e a deixar que os talibãs lhe ditassem a vida. É também a história de um pai que nunca desistiu de a encorajar a seguir os seus sonhos numa sociedade que dá primazia aos homens, e de uma região dilacerada por décadas de conflitos políticos, religiosos e tribais.

«Eu, Malala» é um livro que nos leva numa viagem extraordinária e que nos inspira a acreditar no poder das palavras para mudar o mundo.

A Autora

Malala Yousafzai nasceu em Mingora, Paquistão, em 1997.
No início de 2009 aceitou escrever um blogue para a BBC Urdu documentando a vida sob o regime talibã e a partir daí nunca mais deixou de se fazer ouvir em público em prol do direito à educação.
Em 2011 recebeu o Prémio Nacional da Paz, no Paquistão.
Pouco depois, tanto Malala como o seu pai, Ziauddin, ele próprio proprietário de uma escola e ativista social, começaram a receber ameaças de morte, que culminaram no atentado contra a jovem em outubro de 2012.
Desde a sua recuperação, Malala tornou-se um símbolo da luta pelos direitos das crianças e das mulheres.
Em 2013, com 17 anos, Mala Yousafzai, foi considerada pela revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo.
Em julho do mesmo ano, discursou perante as Nações Unidas, uma honra habitualmente destinada a altas figuras de Estado.
Entre os diversos prémios  destaca-se o prémio Sakharov (10 de outubro de 2013) atribuído pelo  Parlamento Europeu,onde prometeu continuar a defender a educação das crianças e os direitos básicos da população.
Malala dedicou o prémio aos «heróis anónimos do Paquistão e a todas as pessoas que lutam pelos seus direitos básicos»,salientou que há muitas crianças no mundo que, sem acesso a comida nem a água continuam a ter «fome de educação».
«Estas crianças não querem iphones, nem Xbox, nem Playstations, só querem um livro e uma caneta», afirmou no Parlamento Europeu, em Estrasburgo.


A adolescente que desafiou os talibãs tornou-se, em 2014, na pessoa mais jovem a receber o Prémio Nobel da Paz, em reconhecimento pela sua luta pelos direitos humanos.




12 janeiro 2015

"Somos todos Charlie"




Paris recebeu, ontem, milhares de manifestantes de todo o mundo, em solidariedade com as vítimas do terrorismo e em defesa da liberdade. 

"Somos todos Charlie" RBE

06 janeiro 2015

Ano Novo, Livros Novos

Ano Novo Livros Novos

O plano de intervenção para o ano letivo de 2014-2015,  que a equipa da BE apresentou ao Projeto a Ler + do Plano Nacional de Leitura, mereceu da parte deste organismo a atribuição de uma verba para aquisição de fundo documental.  
As Professoras Bibliotecárias, imediatamente, deram início à aquisição e tratamento documental dos documentos que escolheram para cada escola e assim as Bibliotecas iniciaram o Ano Novo com Livros Novos que já começaram a ser requisitados pelos alunos. 








Bom Ano Novo e  Boas Leituras Novas!